Marcas na mente

A loucura, sinto-a aproximar-se; quero me matar.
Minha mente está sangrando e o desespero é cicerone;
ensandecido, vou partindo para eternizar...
E os momentos bons são recordações
que me fazem ainda mais infeliz e assim só sei o que me assola.
O suicídio estar presente e invoco, divagando, carências.
Algo não me deixa pular e meus pulsos sangram
e a minha mente corrompida, enfraquecida, descansa.
Os estigmas dão recordações; ferem, a mente, mais do que marcam o corpo.

108:41, 25-03-2004.

Contando as histórias daqueles que se foram...
Guilherme Souza Pinto.

0 comentários: