Viagem Astral

Meu corpo está parado, imóvel, em completa inércia: não sinto mais meu coração bombear, minhas artérias não pulsam, a respiração se torna ausente.
Minha Mente cai a uma velocidade imensurável adentro desse abismo, tudo se aflora, os sentimentos se confundem, pois são confusos. E agora não sei onde estou, a volta há todas as paixões, pessoas, objetos, animais, toda a minha vida... Até mesmo Ayrton Senna lá se encontra para matar a saudade daquele menino, hoje homem e que o venerava mais do que tudo. Gandhi vem a mim, converso com Buda, aperto a mão de Jesus Cristo, estou à mesa com Hitler e Vargas... Tento ditar ordens a Mim mesmo sem resposta, não estou no poder. De repente me encontro num palco tocando e cantando com Elvis, Renato Russo e Marcelo Fromer, e tantos outros celebres músicos como Beethoven e Mozart.
O cenário mudou mais uma vez, ficou tudo fora do lugar, cortina de fumaça, Kamikazes ao ar, trincheiras, granadas, submarinos, A Bomba Atômica explode sobre mim e meu corpo se incendeia e em uma fração de segundos tudo se deteriora. Todos os Sonhos de uma vida tornam-se alvo de pura insanidade. Não mais existimos, apenas em olhos e em lembranças, desejos e promessas que jamais poderão ser cumpridas.
E quando a esperança havia acabado, eu retorno ao meu mundo triste, sei que tudo passou de um sonho no qual desejara a morte por não poder estar a teu lado.
A felicidade pinta, a tristeza destrói , corrói e é ela que se torna um patrimônio da Humanidade.

Guilherme Souza Pinto
04/10/2002 Por volta das 14:07

0 comentários: